O Rio de Janeiro começou na Urca, em 1565.


A nossa conversa começa onde moramos. Como tudo que a gente faz acaba em histórias, o Instituto nasceu na Urca, a nossa praia, e se projeta para as Américas. 

Formação Tectônica da Entrada da Baia de Guanabara.

Nosso paradigma para catalisar a mudança é antigo: a narração de histórias. Para mobilizar as pessoas, lembramos um momento em que as coisas funcionaram e visualizamos como podem melhorar, não só para nós mesmos, mas também para os nossos vizinhos.

Para isso conectamos residentes, instituições, empresas e formuladores de políticas públicas.

O Instituto Urca reúne histórias que ligam os três setores da sociedade e contribuem para a melhoria das comunidades locais. Como organização sem fins lucrativos, somos não partidários e não estamos ligados a nenhuma organização religiosa, em vez disso, promovemos a igualdade, uma história por vez. E de alguma forma pretendemos fazer a nossa parte para apoiar a agenda 2030 do ONU para a conservação e o uso sustentável da biodiversidade e dos ecossistemas (inclusive os marinhos e costeiros) http://www.agenda2030.com.br/

“O desempenho do orador, numa entrevista como esta, depende muito de quem pede a entrevista. Vocês têm um carisma muito grande. E esse carisma, essa simpatia, é um dom que não todo mundo tem. No primeiro momento que eu conheci vocês, achei uma dupla que me deixou extremamente à vontade. Essa amabilidade que vocês traduzem pela expressão facial, pelos olhos, pelo sorriso, pela forma de falar, pela forma de tratar, não é todo mundo que tem. Parece que eu já conheço vocês há 10.000 anos e me senti muito à vontade para falar. Eu acho que vocês estão no caminho certo, com essa forma de agir, de tratar, de considerar as pessoas, de dar importância, de ouvir, nesse tempo que a gente vive, eu não conheço ninguém igual a vocês dois. Vocês contribuíram para a minha felicidade em dizer o que queria dizer.”

— Carlos Henrique Siqueira,
morador de Urca,
engenheiro da ponte Rio-Niterói desde 1972.
Bar Urca, 17/10/2017.

PARTICIPE . . . !